sexta-feira, 25 de março de 2011

Mais um ponto para o sistema de saúde de Québec!

Bom, como já faz mais de um ano que chegamos, todos os exames "anuais" que eu fazia no Brasil também fizeram aniversário, daí que eu fui atrás de um médico para consulta e exames de rotina. Confesso que fui meio "esperando" encontrar obstáculos para os exames que eu queria fazer, afinal a gente ouve muita história sobre a saúde pública aqui e eu queria exames mais complexos e já tava com receio antes mesmo de ir atrás e conferir.
Primeiro eu liguei no hospital Saint-Sacrement, onde uma amiga consultou uma ginecologista e tentei marcar uma consulta (sem referências, pois não tenho médico de família), a telefonista me disse que eu entraria numa fila de espera, pois a agenda estava completa até o final de abril (isso foi em fevereiro), daí eu pensei, vou tentar em outro lugar, talvez demorem muito para me ligar... Aí, por acaso... fui acompanhar um amigo no bureau medical da Universidade Laval e acabei vendo que tinha ginecologista lá, na mesma hora falei com a recepcionista e marquei um rendez-vous para 20 dias depois. Mas, para minha surpresa 1 semana antes da consulta, a moça do Hospital Saint-Sacrement me liga dizendo que liberou uma data para 30/03 (seria 5 dias após minha consulta lá na ULaval) daí eu expliquei a ela que já tinha marcado com outro médico, agradeci e tal.
Na semana da consulta na Universidade, teve um incêndio no Pavillon Desjardins, que é onde fica o Bureau medical, a recepcionista me ligou, disse que o bureau estaria fechado e me perguntou se eu aceitaria ser consultada na Clinique Medicale de Sainte-Foy, com o mesmo médico, dois dias antes da data marcada, eu disse ok e no dia fui à consulta. A clínica fica pertíssimo aqui de casa, cheguei 5 minutos antes da hora, fui atendida exatamente na hora marcada, a consulta idêntica à do Brasil, mesmas perguntas, mesmo procedimento, fiz o exame PAPANICOLAU, que seria enviado direto ao laboratório, caso desse algum problema eu seria avisada pelo médico, expliquei ao médico que eu gostaria de fazer exames, como por exemplo a mamografia, pois minha mãe teve câncer de mama e eu preciso ficar atenta, sempre fiz esse exame uma vez ao ano no Brasil. O médico me deu a prescrição para a mamografia e me indicou uma clínica no Place de la Cité para o exame, no mesmo dia cheguei em casa e liguei lá, a moça já queria marcar o exame para o dia seguinte, mas eu já tinha marcado o passeio à Cabane à Sucre com o pessoal do curso, inclusive já tinha pago, então não queria perder, aí o exame ficou para o outro dia, ou seja, dois dias após minha ligação. Hoje, dia do exame, fui lá na clínica, que se chama La Cité Medicale, a clínica é excelente, fui atendida na hora marcada, a técnica que faz o exame muito gentil e atenciosa, conversou comigo sobre a doença da minha mãe, etc..e me disse que enviaria o exame direto ao meu médico, que já me falou que se não me ligar é porque deu tudo beleza, caso contrário, ele me liga para fazermos exames mais detalhados. E que ano que vem, eu poderia voltar lá para consulta de rotina e novos exames.
Enfim, resolvi tudo tão fácil e rápido, mais do que era no Brasil com plano de saúde, até agora só tenho a elogiar o atendimento que tive com o sistema de saúde público de Québec. O próximo passo agora é marcar pediatra para o Rica para uma consulta anual de rotina, aproveitei e fui na clínica pediátrica ao lado de onde eu fiz o exame e a moça me disse que preciso passar antes numa clínica médica pegar a requisição com clínico geral. Vou atrás disso agora e depois eu conto como foi.

terça-feira, 15 de março de 2011

Déménagement!


Ao contrário da maioria dos "québécois", nós não escolhemos o dia 01 de julho para fazer a nossa mudança...uma porque nosso bail do outro apartamento encerrou-se em 01/03 e outra que mudar em 01/07 é mais complicado e caro, deve-se fazer reserva do caminhão com meses de antecedência e pagar um pouco mais caro pelo aluguel deste, afinal todo mundo se muda no mesmo dia, daí o preço vai lá em cima. Entretanto, lhes asseguro que fazer mudança a -19 graus não é assim tão prático, ainda mais com a tonelada de neve que havia lá fora, devido às tempestades que ocorreram dias antes. Enfim, no final das contas, entre mortos e feridos, todos sobreviveram bem, tivemos uma grande ajuda de nossos amigos (Jeison, Felipe, Antonio, Márcio, Jéssica e Moshe que formaram um "time grande" para carregar todas as nossas coisas (aqui somos nós que carregamos, dirigimos e entregamos nossa mudança ao destino), e no final deu tudo certo, com direito à um churrasco noturno na casa do Jeison para aliviar as "tensões" e comemorar o níver dele. Bom, todos sabem que eu adorava o outro apê, mas este aqui foi um achado, ele é super-bem localizado, fica em Sainte-Foy também, é maior do que o outro, mais espaçoso, tem uma raridade que é ter um espaço separado, que chamamos no Brasil de lavanderia, onde ficam a lavadora e secadora (em Québec isso é raro, normalmente as máquinas ficam na cozinha ou banheiro), ganhei um closet (outra raridade por aqui), e ainda é um pouco mais barato...mas, é claro que tudo não seria assim tão de " mão-beijada"...nós pegamos o apê completamente imundo...mas não é aquela sujeira de passar paninho aqui e acolá, não...no dia seguinte à mudança (domingo), minha vontade era lavar a casa com o VAP potência máxima...entrar esguichando por tudo e só desligar quando tivesse arrancado toda a tinta "caramelo" da sala...(sonho meu), mas fui impedida subitamente quando minha mente me lembrou que por aqui não tem ralos na cozinha ou banheiro e lá fora fazia -14 graus....então nem deixar as janelas abertas eu poderia se fizesse aquela faxina dos meus sonhos...Então o jeito foi arregaçar as mangas e ir esfregando cantos, paredes, chão e armários com um escovão, balde com sabão e QBoa (água sanitária para os de fora do Sul que nunca me compreendem, rs), amigos, posso dizer sem sombra de dúvida que nunca NA VIDA, eu fiquei tão cansada ou havia feito uma faxina do gênero...no Brasil, temos a facilidade das diaristas para este trabalho pesado...e antes que me chamem de madame, sim, já fiquei sem diarista por um tempo, mas minha casa era limpa, aspirar, passar pano no chão, lavar o banheiro...era a limpeza normal e isso bastava...o primeiro apê aqui nós pegamos impecavelmente limpo e novo, então ao longo do ano foi só manter a limpeza em dia...agora tirar a sujeira de 2 casais de quebecas que moraram aqui por 4 anos e meio foi barra...E olha que ainda tem coisa a se fazer, o próximo passo é pintar o apê para deixá-lo com a nossa cara, que não é tão colorida, vamos dizer assim, rs. Mas estamos felizes com a mudança, continuamos no "rez-de-chaussé"(térreo), após a neve teremos um lindo gramado na frente da nossa sacada para o Rica poder correr, andar de bicicleta, estamos ao lado de uma praça bacana, com parquinhos, no inverno tem pista de patinação, no verão tem piscininha para crianças, há 1 quadra de uma boa escola, mais perto da Universidade, três quadras de um ótimo centro comercial, servidos dos principais ônibus...valeu mesmo!!