segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

1 ano aqui no Canadá!!






Neste dia 21/02/2011 comemoramos 1 ano aqui no Canadá, realmente pensando passou rápido, parece que foi há poucos meses que chegamos e tanta coisa aconteceu, passamos pelas quatro estações que são tão bem definidas aqui e....1 ano se foi. Eu vou separar o post por temas pois há muito o que falar, vou começar com o inverno, que é um tema importante para quem pretende vir morar nestas bandas de cá,


O Inverno : Hoje posso dizer que tiramos de letra o tão famoso inverno canadense, já sabemos o que devemos usar, qual tipo de roupa funciona melhor, qual gorro, qual luva, que dia dá para sair brincar na neve sem passar muito frio e isso se tornar realmente uma diversão, ou os dias em que é melhor ficar em casa vendo um bom filme e comendo besteiras, rs.O inverno não é um bicho de 7 cabeças não, eu esperava muito mais sofrimento físico e desgaste, morria de medo de ficar doente, afinal em Curitiba eu passava o inverno inteiro com gripe e tosse sem fim...mas não foi assim, a saúde de todos aqui em casa vai muito bem, Ricardo sai brincar na neve todos os dias, sem ficar doente, o estoque de antinflamatórios e antibióticos que minha mãe nos trouxe quando nos visitou continua aqui intacto com a graça de Deus, mas apesar de não ter sofrido tanto fisicamente devo confessar que agora já estou de saco cheio do frio e não vejo a hora que esquente logo, afinal, quem aguenta usar o mesmo figurino por mais de 4 meses? rsrs, É claro que o visual fica limitado, nos dias mais frios, o casaco mais quente, nos menos frios os casacos mais finos...só mudam os gorros, luvas, cachecóis e a roupa de baixo, que pode ser a mesma que usamos durante a primavera ou outono. E tbm porque o sol nos faz muita falta, aquele sol de verdade, que esquenta, até queima e que me faz tão feliz! Lembrando que faz muitos dias de sol no inverno, com céu azul, porém, são os dias mais frios, de -30, -40, mas é aquele sol que não aquece.Enfim, não posso dizer que sou fã número 1 do inverno, pois não sou mesmo...tá bom, é legal fazer glissade, patinar, ver a neve caindo... eu adoro, mas já deu, né?! Ainda bem que a primavera está próxima!


o francês: No início o francês realmente é uma barreira, mas depois de um tempo e de muito estudo, tudo fica mais fácil, não nos sentimos mais tão "índios" falando, mas, para isso, passamos o ano de 2010 inteiro estudando francês, isso teve uma grande importância para aprendermos a falar e escrever, coisas imprescindíveis para uma boa adaptação aqui. Agora já me sinto muito mais à vontade com a língua, apesar de que agora, devido ao meu curso mais "aprofundado", a exigência é maior, mas é por causa das regrinhas mais específicas da escrita, mas a cada dia percebo uma enorme evolução nos meus textos e redações, e isso é ótimo.


emprego: Bom, eu desde que cheguei já tinha em mente ficar só estudando, agora estou pensando na possibilidade de talvez trabalhar parcialmente enquanto termino meu Certificado em francês lá na Universidade Laval, ainda não decidi se continuo na minha área, que é Direito, ou troco de profissão, de qualquer forma, meu curso na universidade vai ser de extrema importância para qualquer profissão que eu venha a escolher. O Richard está muito feliz na empresa que trabalha, ele começou em 10 de janeiro a trabalhar como técnico industrial, foi muito bem recebido pela equipe, tem uma coordenatrice muito simpática que já lhe disse que ele está indo muito bem, até pelo fato de conhecer bem o trabalho, pois já fez exatamente a mesma coisa no Brasil, trabalha de segunda à sexta das 8 e 30 às 5 da tarde, tem um salário razoável, enfim, após quase 1 ano de muito estudo e trabalho, ele encontrou um caminho aqui em Ville de Québec!


Saudades: Temos saudades sim, de todos, dos familiares, dos amigos, da comida, de praia, da tv, daquela famosa "alegria" do brasileiro, pois aqui eles são gentis, vivem bem, mas sempre dá aquela sensação de que "falta alguma coisa" , não sei, é uma coisa cultural mesmo, somos diferentes dos outros povos, temos uma luz própria e uma alegria que nos difere dos demais. Viver longe dos familiares não é muito fácil, mas é suportável, eu ainda tive sorte pois minha mãe e irmã vieram nos visitar no verão passado, mas acho que o pior ano é o primeiro, pois além de termos que enfrentar os obstáculos da chegada, falta grana para ficar viajando para matar as saudades, acredito que os próximos anos a saudade consegue ser controlada ser formos passar as festas de fim de ano no Brasil, pelo menos é isso que planejamos.


O Ricardo: Ele está ótimo, muito bem adaptado na garderie, se acostumou bem aqui, já fala bem o francês e já começou a ser albetizado na língua "local", eu até pensei em alfabetizá-lo em português tbm, mas a professora me aconselhou a esperar mais uns 2 ou 3 anos, pois ele agora vai aprender o som das vogais e letras e existe algumas diferenças entre o francês e o português, por exemplo em francês o som da junção "au" é o mesmo da letra "o" e o som do "oi" é "oá", então ele acabaria confundindo muito na hora da pronúncia, portanto o que farei é continuar ensinando novas palavras em português, na hora da conversa, até porque ele ainda tem dificuldade de pronunciar algumas letras em português, o mais engraçado é que o "r" em francês ele está craque, todas as palavras com r em francês ele diz corretamente, mas aquele nosso "r" de "garoa" ele volta e meia fala errado...então tenho que continuar firme com o português para que ele continue aprendendo. Ele já sente o país, a cidade, como sua casa, tem seus amiguinhos brasileiros, seus amiguinhos quebecas e depois de 1 ano já consigo me livrar daquela culpa que senti no início aqui, de ter tirado ele da sua vida confortável no Brasil, quem lia o blog desde aquela época, sabe que uma das maiores dificuldades que tive no início foi ver que meu pequeno não estava tão bem, pedia para voltar ao Brasil, queria sua velha casa, sua escola antiga, seus amiguinhos, pedia para ir na casa da vovó, enfim, que mãe aguenta saber que seu filho não está bem por uma escolha sua??? Mas, a fase ruim passou logo, foi só ele mudar para uma boa garderie e conhecer amiguinhos novos, que tudo melhorou e hoje vejo ele 100% feliz! E a mãe tbm melhorou suas neuroses e aflições...(será??)rs
Parabéns para nós!! Hoje vai ter jantarzinho especial e sorvete de creme com sirop d'érable. Vou deixar o começo da dieta para uma próxima segunda-feira (novidade??!!!)

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

O tal do PS3...

Bom.... daí que neste Natal o playstation 3 chegou por aqui e o Ricardo entrou para o mundo vicioso do videogame, quando digo vicioso, é vício mesmo, não por culpa do menino, coitado...esse vício já veio em sua herança genética e é claro que um dia iria aparecer e ele não teria como fugir...por isso que enquanto eu pude eu adiei o contato entre videogame e meu filho, mas o dia chegou e agora sobra para a mamãe chata aqui e esposa autoritária a função de administrar as horas em que pai e filho passam jogando...confesso que muitas coisas na nossa rotina melhoraram, uma vez que agora papai leva e busca o pequeno na garderie, pois seu horário de trabalho permite (fato inédito) e 5 e 30 da tarde os dois já estão em casa, Ricardo pedindo para jantar e tomar banho (fato inédito) e por volta de 7 da noite eles começam a jogar, mas é claro que tudo isso não seria assim tão fácil...para que ele possa jogar ele tem que ter se comportado "très bien" na escola, ter almoçado tudo e obedecido a professora...só assim seu direito de jogar lhe é concedido...bom, é claro que sei todo aquele blá blá blá de não recompensar o filho por uma atitude correta e tal, mas que jogue a primeira pedra a mãe que nunca chantageou seu filho para comer, ou ofereceu algo em troca de alguma atitude bacana da parte dele...enfim, depois de saber que meu filho está comendo salada de brócolis todo dia na escola só para poder jogar videogame em casa eu tô adorando essa nova tática...mas é claro que quando ele não se comporta bem, tem consequências...por exemplo nesta semana, após dois dias voltando para casa com adesivos de estrelinhas de bom comportamento, ontem foi um "daqueles dias", nessa hora agradeci a Deus por não ser eu quem foi buscá-lo, pois ouvir a professora dizer que foi uma "journée très difficile" não é nada agradável...ainda mais porque ela relatou que ele estava impossível e não fez absolutamente NADA do que ela mandava...após chegar em casa fui conversar direito com ele e ele me disse que não comeu nada do almoço pois detesta o tal "patê chinois", que brigou com a professora pois ela pôs o melhor amigo dele de castigo e ele foi tentar resgatá-lo e ela, obviamente, brigou com ele tbm...enfim, depois de tudo ele ficou de birra no canto da sala por um bom tempo...até o pai chegar para buscá-lo... Neste dia, é claro, não teve videogame, mesmo sob protestos...bom, até que este PS3 trouxe algumas coisas boas em nossa rotina, espero que ele continue fazendo milagres como o Rica comer verdura...pois assim eu posso começar a me simpatizar mais com o tal...
Ps: Estou preparando um super post para o aniversário de 1 ano de Canadá, que será daqui alguns dias...